Teve inicio na noite deste domingo a novena preparatória a 119ª Romaria Votiva. A abertura ocorreu na Comunidade Nossa Senhora das Graças. No dia 21, a celebração será na Comunidade Nossa Senhora do Loretto; no dia 22, na Comunidade São João; no dia 23, na Comunidade Santos Anjos; e para finalizar, no dia 24, na Igreja Santo Antônio (Matriz) de Forqueta. Já do dia 25 de janeiro ao dia 1º de fevereiro, as paróquias participam das missas diretamente no Santuário de Nossa Senhora de Caravaggio, também sempre às 20h.

 

 

 

 

A primeira comunidade a participar, é a Paróquia Jesus Bom Pastor, no dia 25; no dia 26, é a vez da Paróquia Nossa Senhora de Caravaggio; no dia 27, a Paróquia Jesus Ressuscitado; no dia 28, a Paróquia Nossa Senhora do Rosário, de Pinto Bandeira; no dia 29, a Paróquia São Marcos; no dia 30, a Paróquia Sagrado Coração de Jesus; no dia 31, a Paróquia São Pedro e São Paulo, de Nova Roma do Sul; e no dia 01, antecedendo a grande festa, a Paróquia Santa Cruz, de Nova Milano.

O lema deste ano, “A grandeza e a beleza da criação fazem contemplar seu Criador”, foi inspirado na encíclica Laudato Si’ do Papa Francisco, que fala do cuidado com a criação.

 

Morgana Falcade fala da emoção de receber a imagem de nossa Senhora de Caravaggio:

 

 

 

 

História da Romaria Votiva

Toda a primavera e o verão de 1898 foram implacáveis com nossos agricultores, devido a seca e associadas às dificuldades daqueles primeiros tempos; mas, a vontade de vencer é que tudo transformou. No início de 1899 foram convidadas as pessoas para virem em romaria (a pé, cavalo, carroça) até a Igreja Nossa Senhora de Caravaggio. Era o dia 02 de fevereiro. Num gesto de fé, reconhecimento e confiança vieram de Nova Vicenza (Farroupilha), Caxias do Sul, Nova Roma do sul, Nova Trento (Flores da Cunha), Bento Gonçalves e Nova Pompeia (Pinto Bandeira). Estava atendendo a Paróquia, o padre Francesco de Cicco, até julho daquele ano. Todos foram acolhidos, cada qual recebeu o Sacramento da Reconciliação e participou da Santa Missa das 10h. Durante a missa uma pequena nuvenzinha e meia hora depois a torrencial chuva em socorro da sedenta humanidade, os que vieram pisando pó, voltaram pisando barro. À tarde, rezavam o terço e cantavam as ladainhas, para retornarem a suas casas. A prece sofredora dos devotos chegou ao céu e foi atendida; a agricultura que parecia ter perdido tudo, renovou a esperança. No ano de 1902 o padre Henrique Poggi, e os paroquianos de Caravaggio, fizeram o voto de recordar o sinal. E, desde então, se faz, anualmente, esta Romaria.