O mesmo encantamento que levou a gaúcha Natália Ferreira a fixar residência em uma das cidades do Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha, a trouxe até os Caminhos de Caravaggio. Em recente visita à serra, ela que vive na cidade de Puente de La Reina, conheceu o roteiro que fica entre os santuários marianos de Farroupilha e Canela e foi cativada pelo que viu. “A geografia é lindíssima. Os hospitaleiros, uns amores. Nós almoçamos em um lugar incrível. Em outro, serviram bolo. As pessoas carinhosas, queridas, prestativas. Eu percebi que essas pessoas já estão com seus corações ali”. É dessa forma que Natália descreve sua experiência, referindo-se aos pontos de apoio do trajeto. Seu relato tem propriedade. Há sete anos, ela se dedica a acolher aqueles que exploram um dos mais conhecidos percursos sagrados do mundo. No albergue batizado de Estrella Guía, os devotos do apóstolo Tiago Maior encontram um pouco de conforto, descanso e mensagens de incentivo escritas à mão enquanto repousam após longas horas a pé.

 

Durante sua passagem pela serra, a visitante que trocou a carreira agitada de relações públicas e promotora de eventos pela missão de abrigar peregrinos, percorreu os Caminhos de Caravaggio de carro. A experiência rendeu trocas afetuosas em meio a paisagens que enchem os olhos e o coração. “Eu diria que o Caminho de Caravaggio, sendo tão novo, é muito bem estruturado e encantador. De verdade, isso é muito impressionante”, opina “Na Espanha o Caminho de Santiago já é de muita história, uma história secular, onde cada lugar tem seu conceito. O meu lugar é de calma, tranquilidade, filosofia, virtudes”, compara.
Enquanto itinerários de espiritualidade e conexão com o divino, os dois percursos se aproximam ao oferecerem jornadas transformadoras. “Eu percebo que os caminhos brasileiros são super conectados com o caminho de Santiago. Eles são complementares”, diz Natália. Para ela, o que enriquece os roteiros são as histórias dos próprios peregrinos. “Caminhar, estar em contato com a natureza e a energia que essas peregrinações nos proporcionam, nos tornam pessoas melhores. O momento que estamos vivendo pede que vibremos alto. Na minha percepção, é muito importante que a pessoa tenha os seus momentos individuais, que valorize o coletivo e se divirta. Isso faz parte de qualquer caminho”, reflete ela, que já planeja um retorno à região, desta vez para percorrer o trajeto a pé. “Isso já está escrito”, finaliza.

 

 

De peregrina a hospitaleira:

Antes de virar hospitaleira no Caminho de Santiago de Compostela, Natália Ferreira vivia em ritmo acelerado: ao longo de 25 anos de carreira, produziu mais de 700 shows nacionais e internacionais e coordenou eventos com a presença de presidentes da república. Em certo momento decidiu fazer o caminho de Santiago de Compostela e a experiência lhe trouxe uma nova orientação de vida – ou missão, como ela prefere chamar. Há sete anos abriu um albergue na Espanha, onde já recepcionou mais de oito mil peregrinos em busca de reflexão, graça e renovação da fé.

 

 

 

PARTICIPE

O que é: roteiro turístico Caminhos de Caravaggio, que liga os Santuários de Canela, situado na localidade de Saiqui, até o Santuáro de Farroupilha.

Onde: Os Caminhos de Caravaggio passam pelos municípios de Canela, Gramado, Nova Petrópolis, Caxias do sul e Farroupilha.

Como participar: todas as informações estão disponíveis no Guia do Romeiro. É o viajante que deve organizar as hospedagens e reservas. O site https://caravaggio.org.br/caminhosdecaravaggio/ reúne todas as informações para quem decide participar.

Duração: recomenda-se, em média, que o romeiro percorra 20 quilômetros por dia, totalizando 10 dias de caminhada. No entanto, quem dita o ritmo é o caminhante!