Conheça casal que se dedica há anos em ajudar na romaria

Restam três dias para o início da 140ª Romaria de Nossa Senhora de Caravaggio, em Farroupilha, e além de toda equipe de profissionais e sacerdotes do Santuário Diocesano e da Diocese de Caxias do Sul trabalhar para a realização do evento, há um batalhão de pessoas que faz diferença na concretização da romaria. Trata-se de um grupo expressivo de voluntários, pessoas que destinam tempo e esforço para acolher os romeiros em diversos momentos e ambientes.

A motivação para que cerca de 300 pessoas trabalhem sem receber qualquer centavo em troca é, na maioria das vezes, a mesma: a fé por Caravaggio. Boa parte dos voluntários mora nas redondezas do Santuário, mas outros nem estão fisicamente tão próximos. Mesmo assim, colocam-se à disposição para servir comida, cuidar da venda de objetos religiosos, atuar em pontos de apoio ou até dar suporte na parte litúrgica. Afinal, 140 mil romeiros devem chegar sedentos de fé, carinho e vontade de se aproximar da Mãe de Caravaggio.

Neive e André Sartor, casal de agricultores que mora distante cerca de sete quilômetros do Santuário, é um dos exemplos de gente que não mede esforços por Caravaggio. Nos dois dias de romaria, o despertador toca bem antes das 5h para que cheguem ao Santuário por volta das 6h. Cada um desempenha diversas tarefas durante os dias – entrega que ocorre, na verdade, o ano inteiro, já que ambos são voluntários do Santuário nos 365 dias do ano. E esse relacionamento é duradouro e forte, como ambos descrevem.

“São dias bastante intensos, em que deixamos o Santuário só após a última missa. Sempre deixamos tudo pronto para o dia seguinte”, conta Neive.

Além de Neive integrar o coral que se apresenta nas missas aos domingos, tem a missão de coordenar os Ministros da Eucaristia nesta romaria – e, mensalmente, ajudam no restaurante do Santuário, ponto de intensa movimentação aos domingos. Além de ser Ministro da Eucaristia, André recolhe as contribuições nas celebrações e carrega a imagem de Nossa Senhora nas procissões das romarias. É um ritmo intenso de trabalho e que se repete ano a ano, mas o casal garante que arrependimento está bem longe de surgir.

“Ajudamos por amor a Nossa Senhora, a Jesus e ao Santuário. Servir com alegria é muito edificador para nós. Maria é sempre presente na nossa vida ao proteger e cuidar dos filhos, e isto experimentamos todos os dias”.

 

A ROMARIA

Serão dois dias, 25 e 26 de maio, em que missas ocorrerão em ritmo intenso: às 6h, 7h, 8h, 9h, 10h30min, 12h, 13h, 15h, 16h e 17h. A celebração das 10h30min dos dias é campal, seguida de procissão com a imagem de Nossa Senhora de Caravaggio. É um momento emblemático, em que um extenso véu passa pelas mãos dos fiéis.

Pelo menos 16 padres deverão conduzir as missas, com o suporte de mais de 40 Ministros da Eucaristia.

A expectativa de público é semelhante às últimas edições – cerca de 140 mil pessoas são aguardadas nos dois dias de festa, em caso de boas condições climáticas. O lema deste ano atende a um insistente desejo do Papa Francisco, quando pede para que seja vencida a cultura da exclusão, do descartável e da globalização da indiferença: “Com Maria, a Mãe de Jesus, por uma cultura do encontro”.