Concluiu-se mais um importante trabalho na manutenção dos sinos do Santuário. Foi feita a
substituição de correias e motores, limpeza e pintura, bem como a automação via Wi-Fi. Além dos
cinco sinos que já emitiam melodioso som, acrescentou-se um sexto sino, menor, de 10kg, do séc.
19, e que tem em si gravados os dizeres “VENITE FILII AUDITE ME” (Vinde, filhos, escutar-me).

 

 

Sino n. 1: DOMINE, POPULO TUO, BENIGNUS SUCCURE
“Senhor! Socorre benignamente o teu Povo”
Tom: Mi (maior)

Sino n. 2: FIDELES INVITENTUR AD SANCTAM ECCLESIAM
“Convida os fiéis para a Santa Igreja”
Tom: Sol (maior)

Sino n. 3: ECCE CRUCEM DOMINI, FUGITE PARTES ADVERSAE
“Eis a cruz de Cristo, fugi adversidades”
Tom: Dó (maior)

Sino n. 4: LIBERA NOS DOMINI IN FULGURE TEMPESTATE
“Livrai-nos, Senhor, na hora do raio e da tempestade”
Tom: Sol (maior) Peso: 220kg
Sino n. 5: DOMINE NE A FULGURE ET TEMPESTATE LIBERA NOS
“Senhor, livrai-nos dos raios e das tempestades”
Tom: Mi (maior)

Sino n. 6: VENITE FILII AUDITE ME
“Vinde, filhos, escutar-me”
Tom: Dó (maior)

É antigo o costume de convocar com algum sinal ou som, para uma reunião litúrgica, o povo
cristão. A voz dos sinos exprime, assim, de certo modo, o mistério da união do povo em Cristo. O
seu som marca os tempos da oração ou avisa os fiéis sobre acontecimentos mais sérios, que podem
significar aflição ou alegria.
A história dos sinos do Santuário de Caravaggio é antiga e muito bonita. Três sinos, vindos da
região de Bassano – Vêneto, Itália, são dos anos 1884 e 1885. Eram acionados manualmente, por
cordas, até 1992, quando foram automatizados. Dois sinos maiores, porém, foram fabricados em
São Paulo e chegaram ao Santuário em 9 de fevereiro de 2004, e foram agregados aos três já
existentes. Agora o sexto sino passa a dobrar, chamando os fiéis para o início de cada Santa Missa.