Depois da oração do Regina Coeli, nesta segunda-feira do Anjo, o Papa Francisco voltou novamente o seu pensamento ao povo do Sri Lanka:

“Expresso novamente minha proximidade espiritual e paterna ao povo do Sri Lanka. Estou muito próximo ao meu querido irmão, o cardeal Malcolm Ranjith Patabendige Don, e a toda a Igreja arquidiocesana de Colombo. Rezo pelas numerosas vítimas e feridos, e peço a todos para que não hesitem em oferecer a esta querida nação toda ajuda necessária. Espero também que todos condenem estes atos terroristas, atos desumanos, não justificáveis.”

A seguir, o Papa convidou os fiéis presentes na Praça São Pedro a rezarem uma Ave-Maria pelo Sri Lanka.

Francisco desejou aos fiéis de “transcorrerem estes dias da Oitava da Páscoa com fé, em que se prolonga a memória da Ressurreição de Cristo. Aproveitem toda boa ocasião para serem testemunhas da alegria e da paz do Senhor ressuscitado”.

O Papa desejou a todos uma Feliz e Santa Páscoa e pediu aos fiéis para não se esquecerem de rezar por ele.

Mais bombas

Entretanto, uma nova explosão no Sri Lanka. Uma bomba explodiu perto da igreja de Sant’Antonio, em Colombo, e provocou pânico e fuga dos presentes. Segundo as agências de notícias internacionais, as forças policiais envolvidas nas buscas e nas investigações sobre os atentados deste domingo, no Sri Lanka, encontraram 87 detonadores perto de uma parada de ônibus na capital, Colombo.

290 mortos e 500 feridos

O número de mortos nos ataques no Sri Lanka sobe para 290 e 500 feridos. É um balanço ainda parcial. Foram atingidas três igrejas durante as celebrações pascais e três hotéis de luxo de Colombo. Totalizaram oito explosões. As igrejas atingidas são a igreja de Santo Antônio, em Colombo, a de São Sebastião, em Negombo, localidade com a maioria católica no norte da capital, e Zion Church, em Betticaloa, no Leste. No país foram anuladas todas as celebrações pascais, imposto o toque de recolher, já revogado na manhã desta segunda-feira (22), e bloqueadas as redes sociais para evitar circulação de notícias falsas e mais violência. Nenhum grupo reinvidicou a autoria das ações até o momento.

Fonte: Rádio Vaticano