Reitor do Santuário de Caravaggio, natural de Bento Gonçalves recebe nesta quarta-feira (18) o título de Cidadão Caxiense

 

Religioso com forte atuação nas comunidades de Caxias do Sul e Farroupilha, o padre Gilnei Antonio Fronza, 55 anos, recebe nesta quarta-feira, 18 de abril, o título de Cidadão Caxiense. A solenidade, aberta ao público, ocorre a partir das 19h, no plenário da Câmara de Vereadores.

 

Padre Gilnei nasceu em Bento Gonçalves em 13 de fevereiro de 1963, mas desde cedo manteve estreita ligação com a cidade que lhe confere o título. Segundo dos quatro filhos do caldeirista Avelino Fronza e da dona de casa Gemma Piva Fronza, Gilnei ganhou o segundo nome, Antonio, por ter nascido no dia 13 – dia votivo que mensalmente lembra de Santo Antonio, padroeiro de Bento Gonçalves. Conforme a família, ao ser entregue à mãe na maternidade por uma enfermeira, ela teria dito: “esta criança se chamará Antonio, e reze, que ele será padre”.

Dito e feito. Aos 14 anos, o jovem rumou ao Seminário Nossa Senhora Aparecida, em Caxias, onde concluiu o Ensino Médio. Posteriormente, graduou-se em Filosofia pela UCS e Teologia pela PUC, em Porto Alegre. Já a ordenação deu-se em 15 de janeiro de 1989, em cerimônia na comunidade de Santa Catarina, no bairro Licorsul, onde nasceu.

Na ocasião, a família sugeriu aos moradores e convidados que doassem alimentos para uma confraternização.  Resultado: mail de mil pessoas comeram galeto, churrasco e outros pratos típicos, em uma ação conduzida pelo pai, Avelino – um dos idealizadores do salão paroquial de Santa Catarina, em Bento.


A foto oficial da primeira comunhão, em 1974Foto: acervo de família / divulgação

Primeira eucaristia em 1974: Gilnei aos 11 anos, com o catequista Dorvalino Massoco e o padre Oscar BetholdoFoto: acervo de família / divulgação

O início em Caxias do Sul

O primeiro trabalho de padre Gilnei na Diocese de Caxias do Sul foi como membro da equipe pastoral do Núcleo Santa Catarina. E o religioso ficou conhecido, justamente, por ser um mediador das novas vocações, já que atuou por duas vezes como líder em seminários caxienses de formação, nos anos 1990: o São José e o Santa Catarina.

Falando em formação, nas fotos acima vemos dois registros da primeira comunhão do jovem, em 1974. Gilnei, então com 11 anos, aparece ao lado do catequista Dorvalino Massoco e do padre Oscar Bertholdo, na Igreja Santo Antonio.

Na sequência, a ordenação como diácono em Farroupilha, junto ao bispo Dom Paulo Moretto e ao padre Nivaldo Piazza (ao fundo), em 1º de agosto de 1988. Por fim, padre Gilnei no momento da ordenação como padre em 15 de janeiro de 1989, em Bento, ao lado de Dom Paulo.

 

Diácono em 1988: Gilnei com o bispo Dom Paulo Moretto e o padre Nivaldo PiazzaFoto: acervo de família / divulgação

Gilnei é ordenado pelo bispo Dom Paulo Moretto em 1989Foto: acervo de família / divulgação

Atuação nos bairros

Em Caxias, padre Gilnei desempenhou importante trabalho junto aos bairros Sagrada Família,Vale Verde, Reolon, Santa Lúcia, Monte Bérico, Vila Ipê, Belo Horizonte e Santa Fé.

Mas foi no Desvio Rizzo que permaneceu por mais tempo, onde desenvolveu laços duradouros com a comunidade. O título de Cidadão Caxiense partiu da vereadora Gladis Frizzo (PMDB), representante da comunidade do Rizzo.

Padre Gilnei e Dom Paulo oferecem a comunhão a apenados do presídio de Caxias do SulFoto: acervo de família / divulgação

Defensor dos direitos humanos

Uma das bandeiras mais evidentes de padre Gilnei é a dos direitos humanos. Como integrante do Centro de Estudos, Pesquisa e Direitos Humanos da Diocese, criou a Cartilha Violência Criminalizada, que retratou as circunstâncias dos homicídios dos bairros caxienses.

Com este material, o religioso e sua equipe visitaram as comunidades e debateram as causas e as soluções para que tragédias como aquelas não se repetissem.

 

Padre Gilnei, irmã Maria do Carmo e um grupo de imigrantes senegaleses durante uma Romaria de CaravaggioFoto: acervo de família / divulgação

Caravaggio

O jeito acolhedor do bento-gonçalvense também se destacou quando da chegada das centenas de imigrantes senegaleses à Serra, ao trabalhar na recepção junto às congregações de irmãs. Padre Gilnei só deixou o cargo em 2013, quando aceitou a missão de coordenar o maior evento religioso da Serra Gaúcha, a Romaria de Nossa Senhora de Caravaggio.

O Santuário recebe cerca de 1,2 milhões de pessoas todos os anos, e a romaria foi declarada Bem Cultural de Natureza Imaterial de Caxias do Sul.

Fonte: O Pioneiro-Rodrigo Lopes